22 fevereiro 2018

Devilman Crybaby

Pessoas alegres e músicas "animadas", o tão adorado carnaval já passou e finalmente o ano pode começar. (Ainda bem)
A cabeça já deve estar voltando no lugar depois de toda a bebedeira, mas para não abusar escolhi uma série sem muita complexidade. Hoje o tema vai ser Devilman Crybaby, uma produção do tipo "Não pense, apenas sinta". 
Devilman Crybaby, traduzido direto como "O homen-demônio chorão", é originalmente um mangá dos anos 70 que já virou anime e que ganhou uma nova versão para celebrar os 50 anos de carreira de Gou Nagai, criador de Devilman. A história conta sobre "demônios", que após ter descansado milhares de anos voltam para retomar o mundo ao seu domínio. Porém um "Homen-demônio" se levanta para confronta-los. 
Mas, o que diabos seria um "homen-demônio"? Nessa série os embustes necessitam possuir algum ser para poderem se materializar, entretanto se o alvo consegue conter a força diabólica transforma-se em metade demônio adquirindo seus poderes. 
Capiroto, tinhoso, temer, entre varios outros nomes sempre foram designados para uma coisa ruim, e nessa série também não é diferente. Contraposto, é retratado que nem todo demônio é sinônimo da maldade, e que muitos dos humanos podem se enquadrar nesses termos pelas atitudes.

Imagem Divulgação


Inicialmente a animação passa uma impressão inacabada devido aos traços finos e pela falta do sombreamento, porém a utilização de ângulos diferentes, luzes, silhuetas, foco e desfoco junto com as cenas de combate equilibram o visual, deixando bem no estilo do Masaaki Yuasa, diretor do anime. (o que dizer desse gênio?)
O que a animação não tem de detalhe em algumas cenas ela tem de referências, em vários momentos podemos ver o Devilman antigo aparecendo na TV sendo um desenho popular naquele universo. Possui também personagens rappers sendo dublados por rappers de verdade, contendo cenas que eles cantam sobre a realidade que os personagens enfrentam. O que na verdade é uma adaptação muito adequada, pois nesses últimos 3 anos o rap japonês veio ganhando muita popularidade por lá. 



A genialidade dessa obra não se resume apenas na crítica social que traz consigo mas na adaptação de um modo que trouxe um visual tão atual que não parece ser um plot dos 70, aproveitando cada referência das produções antes feitas.
Crybaby do título com certeza é sobre os fãs que choraram de tanta emoção dessa obra de arte. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

PÉSSIMA PESSOA
LAYOUT POR LUSA AGÊNCIA DIGITAL