03 maio 2018

Resenha: Vingadores - Guerra Infinita


Oi gente, tudo bem? 
No último final de semana foi lançado o mais novo filme da Marvel, "Vingadores: Guerra Infinita". 
Bom, como qualquer fã da Marvel, eu estava super ansiosa para ver o filme desde o lançamento do trailer, obviamente! E, devo admitir, as expectativas estavam altas, e não poderiam ter sido atendidas de uma forma melhor. 
Ao longo dos filmes da Marvel estávamos sendo encaminhados à este momento, o qual Thanos buscaria as jóias do infinito e praticamente todos os personagens do mundo dos super heróis se uniriam para tentar dete-lo. Todos os filmes, personagens e cenas pós créditos edificaram esse momento do universo da Marvel e é isso que torna o filme tão apaixonante aos fãs. 
Sendo assim, o mais novo episódio dos Vingadores não é apenas sobre os Vingadores, mas sim um desfecho do universo da Marvel que foi criado ao longo de todos os filmes. 
O vilão do filme, Thanos, apareceu anteriormente nos filmes “Vingadores”, “Guardiões da Galáxia” e “Vingadores - Era de Ultron”. Então o personagem já era bem conhecido no universo dos filmes. A história começa com uma fotografia escura, que se torna mais límpida e viva conforme a história vai chegando ao meio e depois volta a escurecer, acompanhando o enredo do filme. 
Como todos os filmes da marvel, temos ótimos efeitos especiais e, melhor de tudo, muita ação. 
Aliás, ação é o que não falta no filme. Em praticamente todas as cenas temos ação, mas não ao ponto de se tornar cansativo ou desassociar a história. Alem disso, temos muito humor. Um humor inteligente, que explora os demais roteiros da Marvel e faz o expectador se conectar com os filmes. 
E o melhor de tudo, é que se trata de uma história não óbvia com um roteiro teoricamente simples, o que faz a gente se surpreender ainda mais com os plot twisters e ficarmos ainda mais ansiosos ao longo do roteiro. 
E tem plot twisters, hein? Preparem os corações!
Não posso, não quero e não darei roteiro, mas por favor, preparem o coração para esse filme porque, posso garantir, é emoção na certa. Eu ri, chorei, fiquei ansiosa, com medo e indignada, tudo no mesmo filme e em questões de segundos. 
E claro, no decorrer de todo o longa fiquei em dúvida entre o Capitão América e o Thor.  Qual eu prefiro? Ainda não sei! Concluindo, acredito que todo mundo tem que ver o filme porque não é apenas mais uma historinha de heróis, é um filme com uma ótima produção e um roteiro espetacular.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

PÉSSIMA PESSOA
LAYOUT POR LUSA AGÊNCIA DIGITAL